SIGA POR E-MAIL

terça-feira, 4 de agosto de 2015

BRASIL NÃO TEM PODER PARA IMPEDIR EXISTÊNCIA DO SINDJA

A EXISTÊNCIA DO SINDJA É CASO DE REPRESENTAÇÃO CONTRA O GOVERNO DO BRASIL NA OIT , NA CORTE INTERNACIONAL  PORQUE A COBRANÇA DE PROPINA, É UM ACINTE A TUDO QUANTO O MUNDO CONHECE E O PRÓPRIO STF TEM COMO VÁLIDO EM REALAÇÃO A SINDICATOS.
LAMENTAVELMENTE, O BRASIL PTralha, PSEUDO SOCIALISTA, SEGUIDOR DE FÓRMULAS POPULISTAS INIDÔNEAS E UTÓPICAS,JÁ COMPROVADAMENTE FADADAS AO FRACASSO COMO A HISTÓRIA MOSTRA, COBROU PROPINA (PITCHULECO) PARA ENTREGAR O REGISTRO DO SINDJA, REALIZOU MANOBRAS DE LOBBIES DENTRO DO JUDICIÁRIO TENDO, INCLUSIVE, TRANSFERIDO NOSSO PROCESSO DA JUSTIÇA FEDERAL PARA A JUSTIÇA DO TRABALHO QUE CHAMAM DE “JUSTIÇA OBREIRA”, UM ACINTE AO CAPITAL,AO INVESTIMENTO, À LIVRE INICIATIVA, ÀS VERDADEIRAS LIBERDADE E DEMOCRACIA, ONDE FIZERAM UM JULGAMENTO E EM SEGUIDA DESFIZERAM E ALGUM DOUTO MAGISTRADO “PEDIU VISTAS”, MUDANDO O RUMO DO LÓGICO  E O NOSSO ADVOGADO, CALOU-SE!
NADA SABEMOS SOBRE OS ATOS PRATICADOS POR NOSSO ADVOGADO NO PROCESSO, ESPERAMOS O MELHOR MOMENTO PARA COBRARMOS QUEM NOS DEVE SATISFAÇÕES. BREVE IREMOS À CORTE INTERNACIONAL E À OIT !
Para ler mais, clique em " Mais Informações >> " ,aqui abaixo em letras azuis.

OS QUE PREFERIREM LER DIRETAMENTE NO SITE DA OIT E DO TST, ACESSEM COMO INFORMADO ABAIXO:
HÁ , AINDA,  UM EXTENSO TRABALHO PUBLICADO PELO TST-TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, O QUAL DEVE SER TOTALMENTE DESCONHECIDO DO TRT/DF , O QUE LANÇAMOS AQUI O LINK DE ACESSO.
http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=7&ved=0CEYQFjAGahUKEwi3nvzC147HAhXMkx4KHfPUC1g&url=http%3A%2F%2Fwww.tst.jus.br%2Fdocuments%2F1295387%2F6051320%2FA%2BConven%25C3%25A7%25C3%25A3o%2B87%2Bda%2BOIT%2Bsobre%2BLiberdade%2BSindical%2Bde%2B1948%2B-%2Brecomenda%25C3%25A7%25C3%25B5es%2Bpara%2Ba%2Badequa%25C3%25A7%25C3%25A3o%2Bdo%2Bdireito%2Binterno%2Bbrasileiro%2Baos%2Bprinc%25C3%25ADpios%2Be%2Bregras%2Binternacionais%2Bdo%2Btrabalho&ei=C0zAVffsMMynevOpr8AF&usg=AFQjCNG2YpGR5sPuMMODS8qWejYoNSkLfw&sig2=OiWvrahyEMElhexi3aO4lA&bvm=bv.99261572,d.dmo
CERTAMENTE QUE, HAVERÁ QUEM INVOQUE  UMA DECISÃO DE 2014 DO STF NA PESSOA DE ,NADA MENOS QUE, O MINISTRO RICARDO  LEWANDOWSKI, RECONHECIDAMENTE LIGADO ÀS HOSTES PALACIANAS DO MOMENTO, NA QUAL NEGOU PROVIMENTO A AÇÃO DE EMPREGADOS DE PREFEITURA DE MOSSORÓ NO  RIO GRANDE DO NORTE QUE PRETENDIAM LICENCIAR-SE PARA EXECEREM ATIVIDADES SINDICAIS E FORAM VETADOS EM RAZÃO DOS INTERESSES MERAMENTE POLÍTICOS DA PREFEITURA E DESSA DECISÃO DA CORTE SUPREMA DO BRASIL QUE ANDA MEIO COMPROMETIDA COM A VONTADE POLÍTICA DO EXECUTIVO,POR CAUSA DO MINISTÉRIO DO TRABALHO SEGURAR POLITICAMENTE E TALVEZ POR CAUSA DE "PICHULECOS", O REGISTRO SINDICAL DA ENTIDADE DELES.
A DECISÃO ESTÁ NO GOOGLE E ADMITE QUE CONTRARIA  SÚMULAS DO STF QUANTO AO ASSUNTO E DIZ ISSO  EM UMA DAS DECISÕES.
A SÚMULA QUE ESTÁ EM VOGA ATUALMENTE NOS TEMPOS PTralhas É DE QUE O MINISTÉRIO DO TRABALHO TEM QUE REGISTRAR OS SINDICATOS PARA GARANTIR  UNICIDADE SINDICAL TERRITORIAL E NÃO PARA DAR-LHE VIDA JURÍDICA.
A SÚMULA É CAPCIOSA PORQUE OS "juristas" SABEM QUE O ESTADO NÃO PODE INTROMETER-SE EM FUNDAÇÃO DE SINDICATO PORQUE ISSO CONTRARIA TODOS OS ATOS E CONVENÇÕES INTERNACIONAIS ASSINADOS PELO BRASIL E LEVARIA O BRASIL À CONDIÇÃO DE UMA "Cuba" OU "Coreia do Norte", O QUE SÓ ARRASTA O BRASIL PARA MAIS DESCRÉDITO. FAZEREM , ASSIM, DECISÕES QUE DEIXAM ,SEMPRE, MARGEM ÀS DISCUSSÕES POLÍTICAS E POPULISTAS E PIOR: MEXEM COM DIREITOS HUMANOS E AO QUE ELES PROPALAM SER "DEMOCRACIA". BREVE TERÃO A PRÓPRIA ONU AUTORIZANDO UMA INTERVENÇÃO MILITAR NO BRASIL, COMO OCORREU NO EGITO.
ABAIXO, MAIS UM LINK NO QUAL PODEM VER QUE, SINDICATO EXISTE E O TAL REGISTRO "POLÍTICO" JUNTO AO MINISTÉRIO DO TRABALHO É NECESSÁRIO APENAS PARA GARANTIR A UNICIDADE SINDICAL , NO CASO DO SINDJA ELA É NACIONAL E PARA OBTER A TAL ARRECADAÇÃO DA CONTRIBUIÇÃO SINDICAL, QUE O SINDJA QUALIFICA DE IMPOSTO E É CONTRA A FORMA COM É INSTITUÍDA E COBRADA. 
"http://www.jusbrasil.com.br/jurisprudencia/busca?q=INSCRI%C3%87%C3%83O+NO+CNPJ.+REGISTRO+NO+MINIST%C3%89RIO+DO+TRABALHO
LEIAM ABAIXO A RESOLUÇÃO E  A CONVENÇÃO DA OIT, DAS QUAIS O BRASIL TORNOU-SE SIGNATÁRIO E CONCLUAM!


Liberdade Sindical e Proteção ao Direito
 de Sindicalização
CONVENÇÃO N. 87[1]


“A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho.
Convocada em São Francisco pelo Conselho de Administração da Repartição Internacional do Trabalho e ali reunida a 17 de junho de 1948, em sua 31ª Sessão.

Após ter decidido adotar sob forma de uma Convenção diversas propostas relativas à liberdade sindical e à proteção do direito sindical, assunto que constitui o sétimo ponto da ordem do dia da sessão.

Considerando que o Preâmbulo da Constituição da Organização Internacional do Trabalho enuncia, entre os meios suscetíveis de melhorar a condição dos trabalhadores e de assegurar a paz, ‘a afirmação do princípio da liberdade sindical’;

Considerando que a Declaração de Filadélfia proclamou novamente que ‘a liberdade de expressão e de associação é uma condição indispensável a um progresso ininterrupto’;

Considerando que a Conferência Internacional do Trabalho em sua 30ª Sessão adotou, por unanimidade, os princípios que devem constituir a base da regulamentação internacional;

Considerando que a Assembléia Geral das Nações Unidas, em sua Segunda Sessão, endossou esses princípios e convidou a Organização Internacional do Trabalho a prosseguir em todos os seus esforços no sentido de que seja possível adotar uma ou várias convenções internacionais;

Adota, aos nove dias de julho de mil novecentos e quarenta e oito, a Convenção seguinte, que será denominada ‘Convenção sobre a Liberdade Sindical e à Proteção do Direito Sindical, 1948’.

PARTE I LIBERDADE SINDICAL

Art. 1 — Cada Membro da Organização Internacional do Trabalho, para o qual a presente Convenção está em vigor, se compromete a tornar efetivas as disposições seguintes.

Art. 2 — Os trabalhadores e os empregadores, sem distinção de qualquer espécie, terão direito de constituir, sem autorização prévia, organizações de sua escolha, bem como o direito de se filiar a essas organizações, sob a única condição de se conformar com os estatutos das mesmas.

Art. 3 — 1. As organizações de trabalhadores e de empregadores terão o direito de elaborar seus estatutos e regulamentos administrativos, de eleger livremente seus representantes, de organizar a gestão e a atividade dos mesmos e de formular seu programa de ação.

2. As autoridades públicas deverão abster-se de qualquer intervenção que possa limitar esse direito ou entravar o seu exercício legal.

Art. 4 — As organizações de trabalhadores e de empregadores não estarão sujeitas à dissolução ou à suspensão por via administrativa.

Art. 5 — As organizações de trabalhadores e de empregadores terão o direito de constituir federações e confederações, bem como o de filiar-se às mesmas, e toda organização, federação ou confederação terá o direito de filiar-se às organizações internacionais de trabalhadores e de empregadores.

Art. 6 — As disposições dos arts. 2, 3 e 4 acima se aplicarão às federações e às confederações das organizações de trabalhadores e de empregadores.

Art. 7 — A aquisição de personalidade jurídica por parte das organizações de trabalhadores e de empregadores, suas federações e confederações, não poderá estar sujeita a condições de natureza a restringir a aplicação das disposições dos arts. 2, 3 e 4 acima.

Art. 8 — 1. No exercício dos direitos que lhe são reconhecidos pela presente convenção, os trabalhadores, os empregadores e suas respectivas organizações deverão da mesma forma que outras pessoas ou coletividades organizadas, respeitar a lei.

2. A legislação nacional não deverá prejudicar nem ser aplicada de modo a prejudicar as garantias previstas pela presente Convenção.

Art. 9 — 1. A medida segundo a qual as garantias previstas pela presente Convenção se aplicarão às forças armadas e à polícia será determinada pela legislação nacional.

2. De acordo com os princípios estabelecidos no § 8º do art. 19 da Constituição da Organização Internacional do Trabalho a ratificação desta Convenção, por parte de um Membro, não deverá afetar qualquer lei, sentença, costume ou acordo já existentes que concedam aos membros das forças armadas e da polícia garantias previstas pela presente Convenção.

Art. 10 — Na presente Convenção, o termo ‘organização’ significa qualquer organização de trabalhadores ou de empregadores que tenha por fim promover e defender os interesses dos trabalhadores ou dos empregadores.

PARTE II PROTEÇÃO DO DIREITO SINDICAL

Art. 11 — Cada Membro da Organização Internacional do Trabalho para o qual a presente Convenção está em vigor, se compromete a tomar todas as medidas necessárias e apropriadas a assegurar aos trabalhadores e aos empregadores o livre exercício do direito sindical.

PARTE III MEDIDAS DIVERSAS

Art. 12 — 1. No que se refere aos territórios mencionados no art. 35 da Constituição da Organização Internacional do Trabalho, tal como foi emendada pelo Instrumento de Emenda da Constituição da Organização Internacional do Trabalho, 1946, com exclusão dos territórios citados nos §§ 4º e 5º do dito artigo assim emendado, todo Membro da Organização que ratificar a presente Convenção deverá transmitir ao Diretor-Geral da Repartição Internacional do Trabalho com a ratificação, ou no mais breve prazo possível após a ratificação, uma declaração que estabeleça:

a) os territórios aos quais se compromete a aplicar as disposições da Convenção sem modificação;

b) os territórios aos quais se compromete a aplicar as disposições da Convenção com modificações, e em que consistem tais modificações;

c) os territórios aos quais a Convenção é inaplicável e, no caso, as razões pelas quais é ela Inaplicável.

2. Os compromissos mencionados nas alíneas a e b do parágrafo 1 do presente artigo serão considerados partes integrantes da ratificação e produzirão idênticos efeitos.

3. Qualquer Membro poderá, por nova declaração, retirar, no todo ou em parte, as reservas contidas na sua declaração anterior em virtude das alíneas b, c e d do parágrafo 1 do presente artigo.

4. Qualquer Membro poderá nos períodos durante os quais a presente Convenção pode ser denunciada de acordo com as disposições do art. 16, transmitir ao Diretor-Geral uma nova declaração que modifique em qualquer outro sentido os termos de qualquer declaração anterior e estabeleça a situação relativamente a determinados territórios.

Art. 13 — 1. Quando as questões tratadas pela presente Convenção forem da competência própria das autoridades de um território não metropolitano e Membro responsável pelas relações internacionais desse território, de acordo com o Governo do referido território, poderá comunicar ao Diretor-Geral da Repartição Internacional do Trabalho uma declaração de aceitação, em nome desse território, das obrigações da presente Convenção.

2. Uma declaração de aceitação das obrigações da presente Convenção será transmitida ao Diretor-Geral da Repartição Internacional do Trabalho:

a) por dois ou mais Membros da Organização, com relação a um território colocado sob sua autoridade conjunta;

b) por qualquer autoridade internacional responsável pela administração de um território em virtude das disposições da Carta das Nações Unidas ou de qualquer outra disposição em vigor, com relação a esse território.

3. As declarações transmitidas ao Diretor-Geral da Repartição Internacional do Trabalho de acordo com as disposições dos parágrafos precedentes do presente artigo, deverão indicar se as disposições da Convenção serão aplicadas no território com ou sem modificação; quando a declaração indicar que as disposições da Convenção sob reserva de modificações, ela deverá especificar em que consistem tais modificações.

4. O Membro ou os Membros ou a autoridade internacional interessados poderão, por uma declaração posterior, renunciar inteira ou parcialmente ao direito de invocar uma modificação indicada numa declaração anterior.

5. O Membro ou os Membros ou a autoridade internacional interessados poderão, nos períodos durante os quais a presente Convenção pode ser denunciada de acordo com as disposições do Artigo 16, transmitir ao Diretor-Geral da Repartição Internacional do Trabalho uma nova declaração que modifique em qualquer outro sentido os termos de qualquer declaração anterior e estabeleça a situação no que se refere à aplicação desta Convenção.

PARTE IV DISPOSIÇÕES FINAIS

Art. 14 — As ratificações formais da presente Convenção serão transmitidas ao Diretor-Geral da Repartição Internacional do Trabalho e por ele registradas.

Art. 15 — 1. A presente Convenção obrigará somente os Membros da Organização Internacional do Trabalho cujas ratificações tenham sido registradas pelo Diretor-Geral.

2. Entrará em vigor doze meses após serem registradas pelo Diretor-Geral, as ratificações por parte de dois Membros.

3. Posteriormente esta Convenção entrará em vigor, para cada Membro, doze meses após a data de registro de sua ratificação.

Art. 16 — 1. Todo Membro que tenha ratificado a presente Convenção poderá denunciá-la ao expirar o prazo de dez anos, contados da data inicial da vigência da Convenção, por meio de um ato comunicado ao Diretor-Geral da Repartição Internacional do Trabalho e por ele registrado. A denúncia somente se tornará efetiva um ano após haver sido registrada.

2. Todo Membro que tenha ratificado a presente Convenção e que no prazo de um ano após o termo do período de dez anos, mencionado no parágrafo precedente, não houver feito uso da faculdade de denúncia prevista pelo presente artigo, ficará ligado por um novo período de dez anos e, posteriormente, poderá denunciar a presente Convenção ao termo de cada período de dez anos, nas condições previstas no presente artigo.

Art. 17 — 1. O Diretor-Geral da Repartição Internacional do Trabalho notificará a todos os Membros da Organização Internacional do Trabalho o registro de todas as ratificações, declarações e denúncias que lhe forem transmitidas pelos Membros da Organização.

2. Ao notificar aos Membros da Organização o registro da segunda ratificação que lhe tenha sido transmitida, o Diretor-Geral chamará a atenção dos Membros da Organização para a data na qual a presente Convenção entrará em vigor.

Art. 18 — O Diretor-Geral da Repartição Internacional do Trabalho transmitirá ao Secretário-Geral das Nações Unidas, para fins de registro de acordo com o artigo 102 da Carta das Nações Unidas, informações completas a respeito de todas as ratificações, declarações, e atos de denúncia que tenha registrado de acordo com os artigos precedentes.

Art. 19 — Ao termo de cada período de dez anos, contados da entrada em vigor da presente Convenção, o Conselho de Administração da Repartição Internacional do Trabalho deverá apresentar à Conferência Geral um relatório sobre a aplicação da presente Convenção e decidirá da conveniência de ser inscrita na ordem do dia da Conferência a questão de sua revisão total ou parcial.

Art. 20 — 1. Caso a Conferência adotar uma nova Convenção que implique revisão total ou parcial da presente Convenção e a menos que a nova Convenção não disponha de outro modo:

a) a ratificação, por parte de um Membro, da nova Convenção revista acarretará de pleno direito, não obstante o artigo 16 acima, denúncia imediata da presente Convenção desde que a nova Convenção revista tenha entrado em vigor;

b) a partir da data da entrada em vigor da nova Convenção revista, a presente Convenção cessará de estar aberta a ratificação por parte dos Membros.

2. A presente Convenção permanecerá, entretanto, em vigor na sua forma e teor para os Membros que a houverem ratificado e que não ratificarem a Convenção revista.

Art. 21 — As versões francesa e inglesa do texto da presente Convenção são igualmente autênticas."
[1] Texto extraído do livro “Convenções da OIT” de Arnaldo Süssekind, 2ª edição, 1998. 338p. Gentilmente cedido pela Ed. LTR.


Nenhum comentário:

Postar um comentário