SIGA POR E-MAIL

terça-feira, 7 de agosto de 2012

VARA ou JUNTA DE CONCILIAÇÃO

Para quem conhece, os privilégios e vantagens da Arbitraagem, da solução extrajudicial de conflitos é, em tudo, mais vantajosa.
No caso da arbitragem temos os Centros de Conciliação e Arbitragem,Câmaras e até Tribunais Arbitrais.Mas em nenhuma das denominações temos mais que sala de audiências e muito menos "varas".
Leia o texto que parece ser tão hilário quanto a denominação "vara".
Até no poder judiciário os magistrdos antram na "Vara". O CNJ que o diga!

Riamos:

ADVOGADA EVANGÉLICA
 
Inusitado pedido de uma advogada do Rio de Janeiro

Se não acreditar, consulte o site da OAB/RJ - vá em 'coluna dos inscritos' e digite o nº de inscrição registrado na petição (abaixo):
 
Exmº. Sr. Dr. juiz da 16ª. Vara do Trabalho do Rio de Janeiro. Jocilene Couto Nascimento, advogada do reclamante Valeiro Gomes Pliger da Silva, vem, ante a presença de V. Exª, informar que, de uma forma ou de outra, resolveu renunciar aos poderes doados pelo autor na folha da procuração. Que a presente renúncia tem motivos justificadores suficientes, trazendo desânimo até a alma;  senão, vejamos agora: 1 - A ilustre advogada renunciante é considerada pela maioria a maior advogada de Duque de Caxias (RJ), a mais brilhante, pois sou competente, conheço muito o direito, o errado e o certo. Minha insatisfação é originária da mudança no nome de 'Justiça do Trabalho'. Antes, chamava-se Junta de Conciliação e Julgamento e agora passou a chamar-se "Vara". Esta nova denominação me trouxe e me traz diariamente  imensos e grandes constrangimentos. 2 - Antes, para vir fazer audiências ou acompanhar processos eu entrava na Junta, e agora sou obrigada a dizer "estou entrando na Vara", "fui à Vara", "fiquei esperando sentada na Vara". Não concordo. Sou mulher, evangélica e não gosto de gracejos. Deixo a "Vara" para quem gosta de vara, funcionários, varejistas, homossexuais, fiquem na vara, permaneçam na vara, trabalhem com vara. Saio desgostosa por não concordar com o termo pornográfico, vara pra lá, vara pra cá...
Em tempo:
Outro dia, estava entrando no prédio da Justiça do Trabalho e o meu celular tocou. Era meu marido. Ele perguntou: onde você está? E olha só o constrangimento da minha resposta:  "Entrando na décima Vara".
Assim, comunico minha renúncia. Já comuniquei verbalmente a meu ex-cliente, tudo na forma da lei.
Assim posto, peço e aguardo deferimento. São João de Meriti - Rio de Janeiro, 05-05-2002. Jocilene Couto Nascimento - Advogada / OAB - RJ 83.191.


Nenhum comentário:

Postar um comentário